Pontos Missionários

Oriente Médio

Observe abaixo o histórico dos países aonde o Ministério Nação da Cruz tem trabalhado.

Capital: Beirute (quase 2 milhões de habitantes);
Língua: árabe libanês;
Governo: república parlamentarista;
Fronteira: Síria, Israel e Chipre;
População: quase 4 milhões de habitantes;
IDH: elevado (0,769);
O país ganhou a independência em 1943, e as tropas francesas se retiraram em 1946;
A hostilidade entre os grupos cristãos e muçulmanos levou a uma guerra civil e a intervenção armada (1976) pela Síria, com apoio dos EUA e de Israel;
A fronteira ocupada por Israel nas colinas de Golã é disputada pelo Líbano em uma pequena área chamada Fazendas de Shebaa;
No total o estado reconhece a existência de dezoito comunidades religiosas, sendo 59.7% dos libaneses muçulmanos e 39% cristãos;
Em 2014, estimou-se que a população libanesa era composta por 54% de muçulmanos (27% xiita e 27% sunita); 40,4% de cristãos (inclui 21% católicos maronitas, 8% ortodoxos gregos, 5% grego-católicos, 1% protestante e 5,5% outros cristãos); 5,6% de drusos, além de um número muito pequeno de judeus, bahá’ís, budistas e hindus;
Católicos Maronitas: possui ritual próprio, diferente do rito litúrgico latino adotado pela esmagadora maioria dos católicos ocidentais. O rito oriental maronita, que pertence à tradição litúrgica de Antioquia, prevê a celebração da missa em língua siríaca, um dialeto aramaico ocidental;
Drusos: desenvolveu-se a partir do Islã ismaelita, mas é um movimento filosófico numa época de particular riqueza cultural. A religião não tentou reformar o Islã mas criar um novo corpo religioso, influenciado pela filosofia grega, a gnose e o cristianismo, entre outros;
Bahá’ís: é uma religião monoteísta filosófica e que enfatiza a união espiritual de toda a humanidade. Três princípios básicos: a unidade de Deus, a unidade da religião, e a unidade da humanidade;
Líbano significa branco, provavelmente devido a neve cobre o monte Líbano;
É, junto com a Síria, uma das pátrias históricas dos fenícios, da cultura marítima e criaram o primeiro alfabeto, do qual saíram todos os demais, tanto semíticos como indo-europeus.

Capital: Manama (225 mil de habitantes);
Língua: árabe;
Governo: Monarquia Constitucional (Rei);
Fronteira: Ilha;
População: quase 1,1 milhões de habitantes;
IDH: muito elevado (0,824 – 45º);
O país ganhou a independência em 1971do Reino Unido;
A bandeira é formada por um pano vermelho, com uma faixa vertical de cor branca. A cor branca representa a trégua feita com os países vizinhos. A borda desta faixa, que separa as cores, tem forma de serra dentada de cinco pontas, representando os pilares do islã.;
A produção e o refinamento de petróleo responde a aproximadamente por 60% das exportações, 60% dos rendimentos do governo local e 30% do PIB;
Entretanto, o desemprego, especialmente entre os jovens, e a deterioração dos lençóis subterrâneos de água são as principais preocupações nacionais a longo prazo;
A cultura é predominantemente árabe, além de ser islâmica, sendo muito semelhante à dos seus vizinhos da região do Golfo Pérsico. Nos últimos dois séculos, o Bahrein tornou-se, em grande parte uma nação cosmopolita hospedando pessoas de uma variedade de lugares como a Índia, Paquistão, Irã, Egito, Malásia, além de países do Ocidente. Embora a religião oficial seja o Islã, o país é tolerante com outras religiões; igrejas católicas e ortodoxas, templos hindus, bem como uma sinagoga judaica estão presentes na ilha.;
Bahrein é um país onde o Irã e a Arábia Saudita mostram seus poderes políticos em uma guerra por procuração. O país é governado por um regime autoritário, com maioria xiita-islâmica e costuma ser relativamente tolerante por causa da sua posição internacional no setor do comércio. Um número considerável de cristãos expatriados (principalmente da Ásia do Sul) trabalha e vive no Bahrein e é relativamente livre para praticar sua fé em lugares privados de culto, mas o proselitismo muçulmano é ilegal.

Capital: Mascate (1 milhão de habitantes);
Língua: árabe;
Governo: monarquia absoluta;
Fronteira: Iêmen, Arábia Saudita e EAU;
População: quase 2,8 milhões de habitantes;
IDH: elevado (0,793);
O país ganhou a independência em 1971 do Reino Unido;
A dinastia Al Sa’id, a qual o sultão (Qaboos bin Said Al Said, no poder desde 1970) pertence, governa o país há mais de 250 anos;
A taxa de estudo da população adulta omanense foi de 86,9%, em 2010;
Apesar de Omã ser um país bastante moderno, a influência ocidental é reduzida: o islamismo tradicional, ibadita, possui mais restrições que o islamismo sunita e o xiita;
O sistema legal pressupõe que todos os cidadãos nascem muçulmanos e que, se alguém se converter ao cristianismo deve perder a custódia dos filhos, seus bens e emprego, como consequência de deixar o islã;
Os cristãos estrangeiros, que vão a Omã trabalhar e viver, são relativamente livres para exercer sua fé.

Capital: Ancara (5 milhões de habitantes);
Língua: turco;
Governo: república parlamentarista;
Fronteira: Grécia, Bulgária, Geórgia, Arménia, Azerb., Irã, Iraque e Síria;
População: 76 milhões de habitantes;
IDH: elevado (0,761 – 72º);
Cidade mais populosa e importante é Istambul com quase 14 milhões de habitantes;
Turquia significa “terra dos turcos”;
É um estado secular, sem religião oficial. O Islã é a religião dominante no país em número de seguidores 98% da população é muçulmana “praticante“. Se for contabilizado os “não praticantes“ esse número segundo algumas fontes sobe para mais de 99%. No entanto há estudos que apontam para que a percentagem de muçulmanos que observam a generalidade dos preceitos islâmicos, como o de rezar todos os dias e ir à mesquita pelo menos na sexta-feira, não chega a 66%;
A população cristã é de 140.000, entre 0,2% e 1%, judeus são 35 000, yazidis são 2 500, yarsanistas são 50 000 e bahá’ís são 15 000). Os cristãos são sobretudo apostólicos ou ortodoxos arménios (50 000), católicos romanos de rito arménio (2 500), protestantes arménios (500) e ortodoxos sírios (15 000), mas também há católicos romanos de rito latino (5 000), católicos romanos de rito caldeu (5 000), ortodoxos gregos (entre 3 000 e 4 000) e protestantes (3 000). Segundo um estudo de 2007, cerca de 3% da população turca é ateia ou agnóstica;

Capital: Abu Dhabi (1,9 milhões de habitantes);
Língua: árabe;
Governo: monarquia constitucional parlamentar;
Fronteira: Omã, Arábia Saudita, ;
População: quase 8,4 milhões de habitantes;
IDH: muito elevado (0,835 – 41º);
O país ganhou a independência em 1971 da Reino Unido;
Religião Oficial: Islamismo;
A maior cidade e mais importante economicamente é Dubai;
Os Emirados Árabes Unidos têm a sexta maior reserva de petróleo do mundo e possuem uma das mais desenvolvidas economias do Oriente Médio;
O governo segue uma política de tolerância para com outras religiões e raramente interfere nas atividades de não-muçulmanos;
Entre os cidadãos dos Emirados, 85% são muçulmanos sunitas, enquanto que os muçulmanos xiitas são 15% da população, a maioria concentrada nos emirados de Sharjah e Dubai. Os imigrantes de Omã são principalmente ibadistas, apesar de também terem influência sufista;
O Ibadismo é uma variante do Islã distinta do sunismo e do xiismo. Esta vertente é a forma predominante do islamismo no Omã e existem comunidades de fiéis também na Argélia, na Tunísia, na Líbia e na África Oriental como um todo;
Acredita-se que a corrente ibadita seja uma das mais antigas escolas islâmicas, tendo sido fundada a partir dos carijitas;
Os Carijitas foram o primeiro ramo a formar-se no Islã durante o cisma de 655—661 entre Ali e Muawiyah sobre quem deveria ser o califa. Inicialmente partidários de Ali na contenda, rejeitaram as suas pretensões em 657, opondo-se igualmente às de Muawiyah;

Capital: Cidade do Kuwait (2.1 milhões de habitantes);
Língua: árabe;
Governo: Emirado Constitucional;
Fronteira: Arábia Saudita e Iraque;
População: quase 4,2 milhões de habitantes;
IDH: muito elevado (0,816 – 48º);
O país ganhou a independência em 1961do Reino Unido;
Religião: Islã; Ponto histórico mais importante foi a guerra do golfo.
A produção e o refinamento de petróleo responde a aproximadamente por 90% do PIB;
De acordo com a constituição, toda reserva natural, ao governo;

Capital: Amã (quase 2 milhões habitantes);
Língua: árabe;
Governo: monarquia constitucional;
Fronteira: A.S., Iraque, Síria, Israel e Palestina;
População: quase 10 milhões de habitantes;
IDH: elevado (0,748);
O país ganhou a independência em 1946 do Reino Unido;
Possui esse nome devido ao rio Jordão;
Em 15 de maio de 1948, a Jordânia invadiu a Palestina junto com outros países árabes e atacou a Jerusalém judaica;
Depois da guerra, a Jordânia ocupou a Cisjordânia e, em 24 de abril de 1950, anexou formalmente esses territórios;
Em 1991, a Jordânia aceitou, juntamente com representan- tes da Síria, Líbano e representantes palestinos, participar de negociações de paz diretas com Israel na Conferência de Paz de Madrid, mediadas pelos Estados Unidos e Rússia;
Como resultado, o Tratado de paz Israel-Jordânia;
92% da população é sunita e coexistem com as minorias Cristãs;
O extremismo islâmico e antagonismo tribal são os meios mais fortes de perseguição. A situação da Síria atinge diretamente os cristãos jordanianos;

Capital: Doha (quase 1 milhões habitantes);
Língua: árabe; Governo: monarquia absoluta;
Fronteira: Arábia Saudita;
População: quase 2,6 milhões de habitantes;
IDH: muito elevado (0,850 – 32º);
O país ganhou a independência em 1971 do Reino Unido;
Emirado comandado pela casa de Thani desde 1825;
Possui a 3º maior reserva de gás do mundo;
Da sua população geral, apenas 250.000 são nativos;
Cidadão não paga imposto;
Um estudo de 2015 estima que cerca de 200 muçulmanos foram convertidos ao cristianismo;
O islã sunita é a religião predominante e oficial do Catar. A maioria dos cidadãos pertencem ao movimento salafista do islã sunita, e cerca de 5% são seguidores do islã xiita. De acordo o censo de 2004, 71,5% da população são muçulmanos sunitas e cerca de 5% são muçulmanos xiitas, 8,5% são estrangeiros cristãos e 10% são “outras” religiões estrangeiras;
A charia é a principal fonte da legislação do país de acordo com a Constituição do Qatar;
Na prática, o sistema legal é uma mistura do direito civil e do direito islâmico;
A lei charia é aplicada em casos relativos ao direito de família, herança e vários atos criminosos;

Capital: Riade (quase 4,3 milhões de habitantes);
Língua: árabe;
Governo: Monarquia absoluta islâmica wahhabista;
Fronteira: Jord., Iraq., Kuw., Catar, EAU, Omã e Iémen;
População: quase 29 milhões de habitantes;
Wahhabismo ou uaabismo é um movimento religioso ou seita do islamismo sunita geralmente descrito como “ortodoxo”, “ultra conservador”, “extremista”, “austero”, “fundamentalista“ e “puritano”. Seu principal objetivo é restaurar o “culto monoteísta puro”. Os adeptos muitas vezes opõem-se ao termo wahhabismo por considerá-lo pejorativo e preferem ser chamados de salafistas ou muwahhid;
IDH: muito elevado (0,837 – 39º);
O país ganhou a independência em 1926; Religião oficial: Islamismo sunita;
Rei: Salman bin Abdul Aziz Al-Saud;
Cerca de 25 milhões de muçulmanos, ou seja, 97% da população. Desses 90% sunitas e 10% xiitas;
Os proponentes consideram que seus ensinamentos procuram purificar a prática do islamismo de quaisquer inovações ou práticas que se desviam dos ensinamentos do profeta Maomé e de seus seguidores do século VII;
Existem cerca de 1 milhão de cristãos no país, mas todos são estrangeiros;
Igrejas ou outros templos não-muçulmanos são proibidos;
Os trabalhadores estrangeiros tem que comemorar o Ramadã, mas não estão autorizados a celebrar o Natal ou a Páscoa;
A conversão de muçulmanos para outra religião (apostasia) é punida com a pena de morte;
O último sacerdote cristão foi expulso da Arábia Saudita em 1985;
Mesquita Al Masjid Al-Haram em Meca, lugar mais sagrado aos muçulmanos e aonde fica a Kaaba;
Mesquita Al-Masjid an-Nabawi em Medina.

Capital: Sanaa (quase 2,0 milhões de habitantes);
Língua: árabe;
Governo: Governo provisório (Presidente/Presid. Conselho);
Fronteira: A.S. e Omã;
População: quase 24 milhões de habitantes;
IDH: baixo (0,498 – 160º);
O Iêmen do norte ganhou a independência em 1918 do Império Otomano, o Iêmen dom Sul em 1967 do Reino Unido e a unificação ocorreu em 1990;
Bandeira: o vermelho representa o derramamento de sangue de mártires e unidade, o branco representa o futuro brilhante; e o preto representa o passado escuro;
60% são sunitas e 40% xiitas. Os Sunitas são chafeismo, Maliquismo e Hanbalismo. Já os xiitas são Zaidismo, Twelver e Ismaelismo;
95% da renda vem do petróleo;
A renda per capita é de $380 dólares/ano;
País mais pobre do oriente médio;
Seu governo toma as decisões sob efeito de Khat (anfetamina);

Capital: Teerã (quase 14 milhões de habitantes);
Língua: persa;
Governo: República Islâmica;
Fronteira: Turc., Afeg., Paq., Iraq., Turq, Azerb e Arménia;
População: quase 76 milhões de habitantes;
IDH: elevado (0,766 – 69º);
Religião oficial: Islamismo Xiita;
Líder supremo (aiatolá): Ali Khamenei;
Presidente: Hassan Rohani;
98% da população é muçulmana. Desses 90% a 95% São Twelver Xiita e 4% a 8% são Sunita;
Existem cerca de 250.000 a 370.000 de cristãos;
É eleito pela Assembleia dos Peritos para um mandato vitalício. Suas principais atribuições são a de comandante em chefe das Forças Armadas, nomeação do chefe do poder judiciário, do chefe da segurança interna, dos líderes das orações da sexta-feira, do diretor das estações de rádio e de televisão, bem como de seis dos doze membros do Conselho dos Guardiães. Pode demitir o Presidente do Irã caso considere que este não governa de acordo com a constituição.

Capital: Damasco (quase 4,7 milhões de habitantes);
Língua: Árabe;
Governo: República Unitária Semipresidencial com partido dominante;
Fronteira: Turquia, Iraque, Jordânia, Israel e Líbano;
População: quase 18 milhões de habitantes;
IDH: médio (0,594 – 134º);
A cidade mais populoso é Alepo com 5,4 milhões;
A Síria esteve sob uma lei de emergência entre 1963 e 2011, o que efetivamente suspendeu a maioria das proteções constitucionais de seus cidadãos, além de seu sistema de governo ser amplamente considerado como Autoritário;
Bashar al-Assad é o presidente do país desde 2000 e foi precedido por seu pai, Hafez al-Assad, que governou a Síria entre 1970 e 2000.;
Guerra civil inspirada na primavera árabe em 2011;
A oposição é sunita e o governo alauíta (semelhante dos twelvers com sincretismo);
Os Sunitas são 60%, enquanto 13% são Xiitas e 10% cristãos;
Entre os cristãos temos os Igreja Católica Siríaca;
Sua tradição pertence a igreja de Antioquia;
Sua fala e escrita derivam do aramaico de Jesus;

Capital: Bagdá (7,5 milhões de habitantes);
Língua: árabe e curdo;
Governo: governo provisório – rep. parlamentarista;
Fronteira: A.S., Irã, Jordãnia, Kuwait, Síria e Turquia;
População: quase 28 milhões de habitantes;
IDH: médio (0,654 – 121º);
Rios Tigres e Eufrates passam pelo centro do país;
E conhecida como “berço da civilização”;
Iraque significa “fértil”;
Em1968, Ahmed Hassan al-Bakr deu um golpe de estado que derrubou a república e o presidente Abdul Rahman Arif, colocando os baathistas no poder;
Em 1979, o sunita Saddam Hussein (até então vice de al-Bakr) assumiu a liderança do país, iniciando um governo que duraria até a Invasão americana ao Iraque em 2003;
Saddam lideraria o Iraque contra o Irã, na longa e sangrenta Guerra Irã-Iraque, apoiado pelos EUA;
Entretanto, após invadir o Kuwait em 1990, o país foi duramente atacado pela coalizão de países liderada pelos EUA na Guerra do Golfo, em 1991;
O governo de Saddam foi marcado por avanços econômicos e desenvolvimento do país, sem paralelo com a história anterior da nação. Contudo, após a guerra contra o Irã e contra as potências ocidentais pelo Kuwait, a economia do Iraque entrou em colapso. A corrupção no seio do regime e o encolhimento econômico foi seguido por anos de tensão sectária, entre sunitas, xiitas e curdos;
Após usar armas químicas e biológicas na guerra contra o Irã e na repressão dos xiitas e curdos, o regime de Saddam Hussein começou a sofrer pressão internacional para que ele abrisse mão de tais armamentos;
Como não abriu mão, uma coalizão ocidental dos Estados Unidos o derrubou do poder;
O islã representa cerca de 95% da população, enquanto os não-muçulmanos (principalmente os cristãos assírios) atingem apenas 5%. O país tem uma população mista de xiitas e sunitas. O The World Factbook, estima que que cerca de 65% dos muçulmanos no Iraque são xiitas e cerca de 35% são sunitas;
Local aonde se encontra o grupo extremista al-shabaab; Grupo de jovens que prega o fundamentalismo islâmico e é afiliada a Al-Qaeda;
O Iraque é composto por 19 províncias, que são subdividas em distritos. O Curdistão iraquiano é a única região legalmente definida no país, com seus próprios governos.

Iraque – Curdistão

Com cerca de 500.000 km², estende-se pela Turquia, Irã, Síria e Iraque;
Na sua maioria muçulmanos sunitas, que se organizam em clãs e, em sua maior parte, falam a língua curda;
Suas maiores cidades são Erbil e Kirkuk (no Iraque) , Erzurum e Diyarbakır (na Turquia), Kermanshah e Sanandaj (no Irã) e Al-Qamishli (na Síria);

Ásia

Observe abaixo o histórico dos países aonde o Ministério Nação da Cruz tem trabalhado.

Capital: Bisqueque (800 mil habitantes);
Língua: quiguiz e russo;
Governo: república parlamentarista;
Fronteira: Cazaquistão, China, Tajiquistão e Uzbequistão;
População: 5,3 milhões de habitantes;
IDH: médio (0,655);
O país ganhou a independência em 1991 da URSS;
A agricultura contribui com 35% do PIB. Cultivam-se Algodão (quinto produtor mundial), beterraba, tabaco, frutas, hortaliças e cereais. A produção ovina e equina é bastante desenvolvida. A apicultura é outro destaque;
A mineração de ouro representa 45% do PIB e 40 % das exportações;
O país tem uma grande mistura de etnias e culturas, sendo os quirguizes o grupo maioritário. Em 1992, a população foi estimada em 52% de etnia quirguize, 22% russos, 14,5% uzbeques, 1,9% tártaros, 0,5% ucranianos, e uma pequena comunidade de alemães;
A religião predominante do Quirguistão é o sunismo (91%), mas, outras fontes apontam que cerca 70% seja muçulmana;
Entre as denominações cristãs, a população russa pertence à Igreja Ortodoxa Russa, a ucraniana a Igreja Ortodoxa Ucraniana, os alemães principalmente luteranos e anabatistas, bem como uma comunidade católica romana com cerca de 600 membros.

Capital: Astana (830 mil habitantes);
Língua: russo, cazaque;
Governo: república presidencialista;
Fronteira: Rússia, China, Quirg., Uzbeq., Turcom.;
População: quase 15,5 milhões de habitantes;
IDH: elevado (0,788);
O país ganhou a independência em 1991 do URRS;
Cidade mãos importante e populosa é Almaty com quase 2 milhões de habitentes;
O Cazaquistão é povoado por 131 etnias, entre cazaques (que compõem 63% da população), russos, uzbeques, ucranianos, alemães, tártaros e uigures. O islamismo é a religião de cerca de 70% da população, enquanto o cristianismo é praticado por 26% dos habitantes;
A população do país segue o Islã a a maior parte é sunita, dos cristãos, 44% de ortodoxos russos e 2% de protestantes, e outros 7% incluem ateus, xamanistas, budistas, bahá’is etc.);
Três questões dominam o país no momento: a sucessão do presidente Nazarbayev, a sua minoria russa considerável, e as centenas de cidadãos cazaques que se juntaram aos muçulmanos radicais no Oriente Médio.

Capital: Asgabate (1 milhões habitantes);
Língua: turcomeno;
Governo: república presidencialista;
Fronteira: Cazaq., Uzbeq., Afeg. E Irã;
População: quase 5,2 milhões de habitantes;
IDH: médio (0,688);
O país ganhou a independência em 1991 da URSS;
Região aonde se localizava uma das maiores cidades Islâmicas na idade média;
Possui a 4º maior reserva de gás do mundo;
De acordo com a CIA World, muçulmanos constituem 89% da população do Turquemenistão, enquanto 9% são seguidores da Igreja Ortodoxa e 2% são representados como sem religião. O islamismo veio para o país principalmente através de atividades missionárias. Os missionários foram adotados como patriarcas dos clãs ou grupos tribais, tornando-se “fundadores”.
Além disso, há um alto nível de monitoramento de cada grupo da sociedade (incluindo cristãos), bem como um acesso altamente restrito aos meios de comunicação e os recursos estrangeiros. Consequentemente, também é difícil obter informações para fora do país.
Um dos principais problemas para os cristãos no Turcomenistão, e outros países da Ásia Central, é o fato de que há pouca cooperação e muita divisão entre as várias denominações.

Capital: Tashkent (2,2 milhões de habitantes);
Língua: uzbeque;
Governo: República Presidencialista;
Fronteira: Cazaq., Quirg., Tajiq., Afeg. e Turcomenistão;
População: quase 28 milhões de habitantes;
IDH: médio (0,674 – 48º);
O país ganhou a independência em 1991 do URRS;
Religião: Islamismo 88% (maioria de sunitas), Igreja Ortodoxa 9%, outros 3% (incluindo alguns budistas);
Grupos étnicos: uzbeques 80%, russos 5.5%, tajiques 5%, coreanos 4.7%, cazaques 3%;
Um dos acontecimentos históricos foi a esgotamento do Mar de Aral, devido ao uso de agrotóxico e de metais pesado. Isso levou a salinização e contaminação do solo.

Capital: Islamabad (quase 2,0 milhões de habitantes);
Língua: Urdu e Inglês;
Governo: República Parlamentarista;
Fronteira: Índia, Afeganistão, Irã, China;
População: quase 183 milhões de habitantes (6º);
IDH: baixo (0,537 – 146º);
O nome da capital significa “Morada do Islã”;
A cidade mais populoso é Carachi com 15,5 milhões;
O nome Paquistão significa “Terra dos Puros”;
Cerca de 20% da população vive abaixo da linha da pobreza, com apenas 1,25 dólares por dia;
Sua força armada é a 8ª do mundo em poder bélico;
É o 2º maior país muçulmano do mundo e tem a 3ª maior população Xiita, só atrás do Irã e Índia;
Metade de sua população é sufista; 10 a 20% é Xiita, ou seja, 42,5 milhões de pessoas;
Após o Islã, o hinduismo e o cristianismo são os com mais seguidores.

Capital: Cabul (quase 3,6 milhão de habitantes);
Língua: pachto e dari;
Governo: republica islâmica;
Fronteira: Irã, Turq., Uzbrq., Tajiq., China e Paquistão;
População: quase 32 milhões de habitantes;
IDH: baixo (0,465 – 171º);
Evidências de presença humana remontantes ao Paleolítico Médio (50 000 a.C.);
A civilização urbana pode ter começado entre 3 000 e 2 000 a.C;
na década de 1990, ocorre a Guerra Civil do Afeganistão e a ascensão e queda do governo extremista talibã e a Guerra do Afeganistão;
As décadas de guerra fizeram do Afeganistão o país mais perigoso do mundo, incluindo o título de maior produtor de refugiados e requerentes de asilo;
De acordo com a ONU, os insurgentes foram responsáveis por 75% das mortes de civis em 2010 e 80% em 2011;
Mais de 99% da população afegã é muçulmana. Cerca de 80 a 85% destes são seguidores do ramo sunita, e entre 15 a 20% são seguidores do ramo xiita, ramo do islamismo predominante entre os hazaras (mongóis). Há, ainda, outros 3% de muçulmanos não confessionais;
Há pequenas minorias de cristãos, budistas, parsis, sikhs e hindus;
País que utilizou e difundiu a burca;
País em que a mulher muçulmana é obrigada a utilizar a burca;
Local ao hoje estão as principais e mais terríveis regimes extremistas islâmicos – Al-Qaeda e Talibã.

Capital: Duchambe (quase 800 mil habitantes);
Língua: tajique;
Governo: república semipresidencialista;
Fronteira: China, Quirg., Uzbeq., Afeganistão;
População: quase 7,4 milhões de habitantes;
IDH: médio (0,624);
O país ganhou a independência em 1991 do URRS;
90% do território é coberto por montanhas; 20% da população vive com $ 30/mês;
Região conhecida a 3.000 a.c., primeiramente pelos persas;
O nome Tajiquistão, significa “terra dos Tajiqui”;
A maioria do país é muçulmana, 98%. Desse total 85%-95%, é sunita, 3% é xiita e 7% são sem denominação;
O 2% restante da população é russo ortodoxo ou ucraniana, protestante.

Norte Africano

Observe abaixo o histórico dos países aonde o Ministério Nação da Cruz tem trabalhado.

Capital: Rabat (1,7 milhões de habitantes);
Língua: árabe e berbere;
Governo: monarquia constitucional (rei);
Fronteira: Argélia, Saara e Espanha;
População: quase 34 milhões de habitantes;
IDH: médio (0,628);
O país ganhou a independência em 1956 da Espanha;
Atual rei chama-se: Maóme VI;
a maior cidade e mais importante economicamente é Casablanca;
Os árabes representam cerca de 70% da população e os berberes 30%; todas as outras etnias não chegam a corresponder a 1%;
A religião dominante é a muçulmana sunita (99%).;
O fundamentalismo islâmico, presente sobretudo no meio universitário através da União Nacional dos Estudantes do Marrocos (UNEM), tem sido duramente combatido. O Governo tem estimulado a re emergência de movimentos estudantis socialistas (procurando, com isso, minimizar a influência do islamismo radical no meio universitário), bem como a participação de partidos islâmicos moderados no debate político nacional.

Capital: Argel(quase 2,4 milhões de habitantes);
Língua: árabe e berbere;
Governo: República semipresidencialista;
Fronteira: Tunísia, Líbia, Níger, Mali, Mauritânia, Saara e Marrocos;
População: 32,5 milhões de habitantes;
IDH: elevado (0,736 – 83º);
O país ganhou a independência em 1952 da França;
Religião Oficial: Islamismo Sunita;
Guerra civil de 1991 a 2002 entre o governo e vários grupos de islâmicos rebeldes;
FLN – Frente de libertação nacional;
APNA – Força militar das pessoas da Argélia;
OJAL – Organização de Jovens Argelinos livres;
FIS – Frente da salvação islâmico;
FIDA – Frente islâmica jiradista armada;
GIA – Grupo islâmico armado;
GSPC – Grupo salafista de oração e combate;
94% do PIB é dependendo do petróleo;
150.000 Ibadis, 45.000 católicos, 75.000 protestantes;
Em um estudo em 2015, estimou que 380.000 muçulmanos se converteram ao cristianismo.

Capital: Cairo (10 milhões habitantes);
Língua: árabe;
Governo: Republica semipresidencialista;
Fronteira: Líbia, Sudão, Israel e Palestina;
População: 86 milhões de habitantes (15º);
IDH: medio (0,690);
O país ganhou a independência em 1922 do Reino Unido;
É habitada desde o 10º milênio a.c.;
Kemet – terra negra;
Era Mubarak: assumiu em 1981, sempre se reelegeu por referendo. Seguindo a Tunísia, em 2011, milhares de pessoas foram a praça Tahrir, desafiando o toque de recolher. Após 3 décadas, Mubarak renunciou;
Era pós-Mubarak: em 2012, Morsi, integrante da IM venceu as eleições. Foi acusado de tentar islamizar o Egito. E o movimento Tamarod (rebelião) pediu ao exercito tomar uma posição ao lado da vontade popular.
Uma eleição presidencial ocorreu entre 26 e 28 de maio de 2014, com apenas dois candidatos, o ex-Ministro da Defesa egípcio Abdel Fattah el-Sisi e Hamdeen Sabahi, da Corrente Popular Egípcia. Os números oficiais mostraram que cerca de 25,5 milhões de pessoas participaram das eleições, ou 47,5% dos eleitores registrados, sendo que el-Sisi venceu com 23,7 milhões de votos (96,91% do total), dez milhões de votos a mais que o ex-presidente Mohamed Morsi;
98% da população concentrada no vale e no delta do Rio Nilo;
A religião maioritária é o islã sunita, aproximadamente 90%. A maior minoria religiosa são os coptas (9% da população). Outras minorias religiosas são os ortodoxo gregos e armênios, tanto católicos quanto protestantes;
O Pew Research Center classifica o Egito como o quinto pior país do mundo em liberdade religiosa;
De acordo com uma pesquisa do Pew Center, em 2010, 84% dos egípcios entrevistados apoiavam a pena de morte para aqueles que deixassem de seguir o islamismo; 77% apoiavam penalidades como aplicar chicotadas e cortar as mãos daqueles que furtarem e roubarem; e 82% apoiavam o apedrejamento de uma pessoa que comete adultério.

Capital: Adis Abeba (3 milhões habitantes);
Língua: Amárico;
Governo: república parlamentarista; Fronteira: Sudão, Sudão do sul, Eritreia, Quênia e Djibuti;
População: quase 74 milhões de habitantes;
IDH: baixo (0,442);
O país ganhou a independência em 1941 da Itália;
Nação mais populosa da África;
O país também tem laços históricos próximos com as três maiores religiões abraâmicas do mundo;
Entre os muçulmanos a maioria e sunita de divisão sufi e Salafita;
A grande população muçulmana está na região norte Afar. Isso resultou em um movimento separatista muçulmano chamado “Estado Islâmico do Afaria” buscando uma constituição compatível a charia;
A luta entre as diferentes denominações de cristãos está enfraquecendo a resposta conjunta dos cristãos contra a perseguição;
Igrejas históricas e comunidades de protestantes não tradicionais são os que enfrentam maior perseguição, através do extremismo islâmico, diferentes denominações e defesa tribal.

Capital: Trípoli (quase 1 milhão de habitantes);
Língua: árabe;
Governo: governo provisório;
Fronteira: Egito, Sudão, Chade, Níger, Argélia e Tunísia;
População: quase 6,2 milhões de habitantes;
IDH: elevado (0,724 – 94º);
O país ganhou a independência em 1947 da Itália;
Com a derrocada de Muammar Gaddafi do poder, após 40 anos de governo, e com o fim da guerra civil, o país passou a ser oficialmente uma república parlamentarista;
Volta da guerra civil devido a convocação de eleições. Após não se entenderem o general líbio Khalifa Haftar lança um ataque em Benghazi, visando grupos militantes islâmicos Este ataque foi feito sem qualquer autorização do governo estabelecido.
Em Trípoli, o parlamento foi invadido por tropas de Haftar, e o governo líbio descreveu como uma tentativa de golpe.
Com a esperança de sufocar e desarmar a luta pelo poder com o general, a comissão eleitoral anunciou, que eleições parlamentares seriam realizadas em junho de 2014. Haftar afirma estar limpando a Líbia dos militantes islâmicos e terrorista que “infectaram o país”. Ele proclamou a dissolução do Conselho Nacional Geral e afirma apontar para o um governo eleito, sem qualquer ligação com milícias islâmicas. O movimento de Haftar foi recebido com passeatas e manifestações de apoio por milhares de cidadãos líbios em Trípoli, Benghazi e em outras cidades líbias;
O petróleo é responsável por 30% do PIB e 95% das exportações;
Devido a isso, o país possui um dos maiores rendimentos per capita da África;
A perseguição que mais afetam aos cristãos são o extremismo islâmico, a corrupção e o crime organizado, que possuem ligação com a lei sharia.

Capital: Cartunn (quase 1,3 milhões de habitantes);
Língua: árabe e inglês;
Governo: República Presidencialista;
Fronteira: Eritreia, Etiópia, Sudão sul, Chade, Líbia e Egito;
População: quase 45 milhões de habitantes;
IDH: baixo (0,479 – 167º);
A cidade mais populosa é Omdurman com 2,3 milhões de habitantes;
O sistema legal sudanês é baseado na lei islâmica (sharia);
A grande maioria é sunita maliquista, seguida do chafeismo e do Hanafismo, ou seja, escolas da jurisprudência Islâmica;
A agricultura continua a ser o sector econômico mais importante do Sudão. Emprega 80% da força de trabalho e contribui com 39% para o PIB. Este aparente bem estar económico é quase irrelevante; mais de 50% da população vive abaixo da linha de pobreza.

Capital: Mogadiscío (quase 1,8 milhões de habitantes);
Língua: árabe e somali;
Governo: República Parlamentarista;
Fronteira: Quênia, Etiópia, Djibouti;
População: quase 11 milhões de habitantes;
IDH: muito baixo (0,285 – 229º);
Sua capital chegou a ser conhecida com a cidade do Islã;
É um dos países mais corruptos do mundo;
Guerra civil – Somalilândia;
Em 2006, the Corte da União Islãmica (ICU), assumiu controle da parte mais sudeste do país e implantaram a Sharia como lei;
A grande maioria é sunita chafeista. Pew RC;
A constituição da Somália também define o Islã como a religião estatal da República Federal e a sharia islâmica como fonte básica para a legislação nacional.
Ele também estipula que nenhuma lei que seja inconsistente com os princípios básicos da Shari’a pode ser promulgada.

Capital: Tunes (2 milhões de habitantes);
Língua: árabe;
Governo: república semipresidencialista;
Fronteira: Argélia e Líbia;
População: 10 milhões de habitantes;
IDH: elevado (0,721 – 96º);
Revolução de Jasmim: foi desencadeada pelo desemprego, inflação, corrupção e liberdade de expressão;
Primavera Árabe.
Sunitas são maioria, seguidos dos sem denominação e pelos Ibaditas;
Entre os cristãos, 22.000 católicos e o resto protestantes.