Guerra do Iémen – Ministério Nação da Cruz
Quando não é possível esquecer
29 de junho de 2017
Conflito do Iémen: risco de cólera por mais de um milhão de crianças
4 de agosto de 2017
Exibir tudo

Guerra do Iémen

Guerra do Iémen: ataque aéreo da coalizão militar liderada pela Arábia Saudita mata civis deslocados

Pelo menos 20 civis deslocados, incluindo mulheres e crianças, foram mortos em um ataque aéreo de coalizão dirigido pela Arábia Saudita no sul do Iêmen, disseram autoridades.

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) disse que uma aldeia no distrito de Mawza, na província de Taiz, foi atingida na terça à tarde. A maioria dos mortos acredita-se ter sido da mesma família.

Não houve nenhum comentário imediato da coalizão, que está apoiando o governo do presidente Abdrabbuh Mansour Hadi em uma guerra contra o movimento rebelde Houthi. Mais de 8.160 pessoas foram mortas e 46.300 feridas em ataques aéreos e lutando no chão no Iêmen desde março de 2015, de acordo com a ONU . O conflito também deixou 20,7 milhões de pessoas que precisavam de algum tipo de assistência humanitária, criaram a maior emergência de segurança alimentar do mundo e levaram a um surto de cólera que se acredita ter afetado 330 mil pessoas desde abril.

O ACNUR disse que estava “profundamente chocado e triste” com os relatos de mortes e feridos civis após o ataque aéreo de terça-feira na aldeia de Al-Atera. As pessoas mortas no incidente foram deslocadas do distrito próximo de Mokha, onde as forças terrestres apoiadas pela coalizão estão envolvidas em uma grande ofensiva destinada a dirigir combatentes rebeldes da costa do Mar Vermelho do Iêmen.

O governo internacionalmente reconhecido do Iêmen confirmou o número de mortos, informou a agência de notícias da Reuters. Também citou o Ministro dos Direitos Humanos, Mohammed Askar, que pede uma investigação sobre o “incidente infeliz”. O porta-voz de Houthi, Mohammed Abdul Salam, condenou o “crime monstruoso”.

A província de Taiz abriga cerca de 15% dos 2 milhões de deslocados internos do Iémen (IDPs), dos quais mais de 500 mil provêm da província.

“Este último incidente, mais uma vez, demonstra os perigos extremos que os civis enfrentam no Iêmen, em particular aqueles que tentam fugir da violência, pois são desproporcionalmente o peso do conflito”, afirmou o ACNUR.

A coalizão liderada pelos sauditas diz que não tem como objetivo os civis, mas os grupos de defesa dos direitos humanos o acusaram de bombardear escolas, hospitais, mercados e áreas residenciais.

Fonte: http://www.bbc.com/news/world-middle-east-40655127

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *