Conheça o Sri Lanka, país alvo de ataques a igrejas cristãs
29 de abril de 2019
Exibir tudo

A crítica situação de saúde dos habitantes do Oriente Médio

Um peso de dimensões não apenas locais, mas que afeta o mundo em um todo, se refere às situações precárias de vida nas regiões do Oriente Médio.

Constantes guerras, perseguições religiosas e os conflitos diários, acarretam inúmeros transtornos e sofrimento aos habitantes.

A crítica situação de saúde das pessoas que tentam sobreviver na região, degrada-se mais a cada dia, chamando a atenção do mundo e causando comoção em todos nós, cristãos ou não.

Sendo assim, ficamos muitas vezes, nos questionando. Por exemplo, o que é possível fazer para minimizar o triste cenário da saúde no Oriente Médio?  Quais os mais recentes indicadores e estudos sobre a atual situação de nossos irmãos em Cristo?

Acompanhe as respostas a seguir, no artigo de hoje e entenda como há determinados problemas de saúde que se agravam muito além da questão da guerra em si.

Problemas de saúde no Oriente Médio nem sempre recebem a mesma atenção que a guerra e a violência

Um estudo recente sobre a crítica situação de saúde dos habitantes do Oriente Médio, mostrou que a região envolve 15 países está “nadando contra a maré” em diversos sentidos.

Enquanto boa parte do mundo busca minimizar ou até mesmo cessar doenças, estabelecendo protocolos oficiais de tratamentos e de prevenção, a região amarga uma crise assustadora na saúde.

Escassez de suprimentos, falta de comida e de água, itens básicos de sobrevivência, unidades de saúde praticamente inacessíveis, são parte da rotina de sofrimento destes nossos irmãos e irmãs, crianças e adultos.

De acordo com uma publicação do “International Journal of Public Health”, baseada no relatório Global Burden of Diseases -(GBD), fatores como guerra e violência foram de fato, protagonistas dentre as motivações de morte na região. Especialmente em países como Síria, Iêmen, Iraque, Afeganistão e Líbia.

No entanto, o mesmo estudo indicou uma série de graves problemas, relacionados com o bem-estar e saúde das pessoas, que sofrem um maior agravamento diante de toda a violência local, mas que muitas vezes “passam batidos”.

Dentre os dados divulgados, um dos mais alarmantes está relacionado ao suicídio. De 1990 até 2015, houve um aumento de 100% de casos. A obesidade é outra doença que assola os habitantes do Oriente Médio.

Da década de 1980 até os tempos atuais, o índice de obesidade aumentou 37%. E como se não bastasse tudo isso, o Iêmen e demais países tiveram um verdadeiro surto de cólera no ano de 2017.

Só para mensurarmos o poder destrutivo da doença e dessa crise na saúde, a Organização Mundial da Saúde- OMS, relatou o número de 242 mortes no mês de maio daquele fatídico ano (2017). Algo sem precedentes e que é o evidente resultado da falta de água limpa e de carência de assistência médica preventiva.

Outras problemáticas encontradas no Oriente Médio, que tem levado inúmeras pessoas à morte, são:

  • Diarreia;
  • Infecção respiratória;
  • Doenças cardiovasculares;
  • Diabetes;

A guerra atinge o âmbito psicológico das pessoas, levando muitas a adotarem comportamentos de risco, o que as tornam mais vulneráveis a adquirirem diversas doenças contagiosas.

“Situação do Oriente Médio é um problema do mundo inteiro”

O Ministério Nação da Cruz atua diretamente no Oriente Médio, com uma série de projetos voltados a minimizar o sofrimento dos cristãos que são perseguidos bem como dos refugiados e também dos não cristãos.

De maneira voluntária, atuamos em ações como o Listen Again, ajudando as pessoas vitimizadas pela violência da guerra, a ouvirem de novo, por exemplo.

Temos ainda equipes de voluntários que não medem esforços para promover tratamento odontológico à população. Ideias como o projeto RECREATE, reformando móveis abandonados (algo muito comum na Jordânia), trazem além de renda, a mensagem de que tudo aquilo que foi destruído, pode ser refeito, ou seja, mesmo com a violência e destruição da guerra, há a possibilidade de recriarmos a vida.

Doar um pouco de si, da forma que é possível, em favor destas pessoas, é mais do que um ato de bondade, é um gesto que representa o Deus vivo em nossas atitudes e ações.

E você pode e deve fazer parte deste movimento de reconstrução da vida e promover a melhoria da saúde no Oriente Médio. Há muitas formas de ajudar e se você está lendo isso agora, tenha certeza de que não foi em vão. Há um propósito maior nisso!

Entre em contato conosco e veja qual a melhor forma de ajudar nossos semelhantes que tanto sofrem com os horrores da guerra e com a crise total da saúde.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *